A criação da Associação Brasileira das Escolas do Legislativo e de Contas em 2003 foi o ponto de partida para a consolidação de um novo segmento no universo educacional brasileiro: a Educação no Legislativo que, desde então, não para de evoluir.

À época da criação da ABEL, havia cerca de cinco Escolas instaladas no Brasil. Em 2016, estamos perto de 150 Escolas em pleno funcionamento em todas as Assembleias Legislativas, em todos os Tribunais de Contas e em muitas Câmaras Municipais. Isto representa uma grande conquista, uma grande vitória, e mostra que o Poder Legislativo brasileiro está focado em renovação e modernização pela capacitação de servidores e parlamentares e, especialmente, pela formação de jovens políticos.

Até o advento da Constituição de 1988, e durante alguns anos depois, as Câmaras Municipais e as Assembleias Legislativas se limitaram a processos simplificados de treinamentos e cursos. Hoje vemos uma mudança radical. Temos Escolas credenciadas para oferecer cursos de especialização, e até de mestrado. Por outro lado, vemos servidores fortemente estimulados a voltar a estudar, ou a ampliar seus conhecimentos e habilidades. Há um alto nível de qualificação que se reflete no serviço prestado aos cidadãos e às comunidades. O controle social das contas públicas também ganhou importância pelo expressivo avanço e fortalecimento das Escolas dos Tribunais de Contas dos Estados.

Um projeto que já é quase um movimento nacional e uma referência das Escolas é o que envolve estudantes do ensino fundamental e ensino médio na vida parlamentar das Câmaras Municipais e Assembleias Legislativas. Mais conhecido como Parlamento Jovem, o evento adotado em grande parte das Escolas envolve crianças e adolescentes que são selecionados, eleitos, apresentam projetos de lei e vivem a experiência parlamentar. Esta educação política é da maior importância porque estes jovens são os políticos de amanhã. Estamos preparando uma nova geração para os parlamentos brasileiros em todas as suas esferas, e isto é extremamente gratificante.

Florian Madruga
Presidente da Associação das Escolas do Legislativo e de Contas - ABEL